Casas de Acolhimento de Araucária enfrentam surto de Covid-19

A negligência da gestão Hissam e da Secretaria Municipal de Assistência Social (SMAS) no combate à pandemia fizeram mais vítima: um adolescente acolhido em um dos serviços de acolhimento de Araucária faleceu nesta quinta-feira (29) em decorrência de complicações da Covid-19. Ele foi internado no dia 18, teve piora no quadro e precisou ser entubado no dia 20.

É com profundo pesar que o SIFAR comunica sobre o falecimento do acolhido, tanto pela tristeza que é perder alguém tão jovem quanto porque é fato que trata-se de mais uma morte que poderia ter sido evitada caso as providências necessárias tivessem sido tomadas.

E as más notícias não param por aí. As duas Casas de Acolhimento de Araucária estão em surto de Covid-19. Até o momento, são 9 trabalhadores e 8 acolhidos contaminados, um dos acolhidos está na UTI. Mesmo com os surtos de Covid-19, até o momento, nenhuma precaução adicional foi adotada nas unidades.

O isolamento possível dentro das Casas de Acolhimento é bastante precário e, antes de ter o caso confirmado, o acolhido que adoeceu e veio a óbito teve contato com mais sete acolhidos e com sete trabalhadores. Desses, cinco acolhidos e sete trabalhadores também acabaram contraindo o vírus.

Essa situação é grave e insustentável! As crianças e adolescentes que estão sob os cuidados do Estado precisam ser protegidos por ele! Os educadores sociais e os trabalhadores da assistência social se desdobram em mil e estão sobrecarregados para oferecer o melhor atendimento possível, mas faltam condições de trabalho e recursos e sobra descaso por parte da gestão!

O governo e a SMAS vão querer alegar que desconheciam a situação e a possibilidade de surto nas unidades da assistência social, mas isso é mentira. Desde 2020, os trabalhadores da assistência social denunciam a falta de condições para fazer distanciamento, isolamento e cumprir medidas sanitárias necessárias, confira as datas das reivindicações que a categoria fez:

2020

20 de julho – Denúncia ao MP sobre falta de condições no isolamento da Casa 2

2021

23 de março – Carta dos representantes dos locais de trabalho com pauta de reivindicações para combate à pandemia

20 de abril – Denúncia à vários órgãos sobre surto nas duas Casas de Acolhimento

28 de abril – Assistência Social participa da reunião com o Comitê da Covid para cobrar providências

28 de abril – Carta pública do SIFAR

Ou seja, as denúncias sobre a situação das Casas de Acolhimento e da iminência de surto da doença foram protocoladas tanto na Prefeitura e na Secretaria quanto no Ministério Público e no Conselho de Assistência Social. Mesmo assim, nenhuma nova providência foi adotada pela gestão.

Tendo em vista os surtos ocorridos nas Casas de Acolhimento, em especial o da Casa 2, é necessária uma profunda investigação para que se compreenda o que levo a esse colapso. Certamente, há erros no processo, seja nos protocolos adotados, em sua aplicação, ou mesmo na estrutura das casas.

Será que depois dessa tragédia, a gestão Hissam vai fazer alguma coisa para conter o contágio pelo vírus nas unidades da assistência social? Ou vai continuar agindo com descaso até que tenhamos um número ainda maior de casos e, infelizmente, de falecimentos?

O SIFAR se solidariza com todos os trabalhadores da assistência social e está junto na luta por melhores condições de trabalho e pela vacinação imediata da categoria. Firmes!

 

RECEBA NOSSO INFORMATIVO



Acompanhe nossas redes sociais